Contabilidade

IFRS 16: o que é e como se preparar para as mudanças

janeiro 22, 2019
IFRS 16 o que é e Como se Preparar para as mudanças
Tempo de leitura 3 min

Em janeiro de 2019, entrou em vigor a IFRS 16, uma norma contábil internacional que regulamentará o arrendamento mercantil. Obrigatória para países que adotam o padrão, entre eles o Brasil, a nova norma promete gerar mais transparência nos indicadores financeiros ao lançar ativos e passivos dos arrendamentos na contabilidade das empresas locatárias.

Acompanhe este post para ficar bem informado sobre o que é a IFRS 16, como funciona e quais seus impactos sobre os indicadores financeiros da sua empresa!

O que é a IFRS 16?

O Internacional Financial Reporting Standards 16 (ou IFRS 16) é a norma contábil internacional que regulamenta arrendamentos com prazos superiores a 12 meses e/ou com valores individuais acima de US$ 5 mil. Emitida em 2016, a norma foi elaborada pelo International Accounting Standards Board (IASB) em conjunto com o Financial Accounting Standards Board (FASB).

O objetivo principal com a criação da norma foi gerar mais transparência em relação ao registro de ativos e passivos dos arrendamentos no Balanço Patrimonial e no Demonstrativo de Resultado (DRE).

De acordo com as regras da antiga norma a — Internacional Accounting Standard 17 (IAS) —, era possível enquadrar o arrendamento como operacional. Naquele modelo, os benefícios e riscos do bem alugado ficavam com o arrendador. Como resultado, os ativos e passivos da locação não eram lançados no Balanço Patrimonial, o que poderia distorcer a percepção de investidores e gestores sobre o real desempenho financeiro de tais empresas.

Como funciona a IFRS 16?

Com a entrada da IFRS 16, o modelo contábil de arrendamentos foi unificado. A nova norma estabelece que ativos e passivos dos arrendamentos sejam lançados no balanço patrimonial e no DRE.

O impacto dessas mudanças afetará, sobretudo, os arrendatários. Essas empresas serão obrigadas a contabilizar os arrendamentos como ativo não circulante pelo reconhecimento do direito de utilização do ativo alugado, além de incluir as despesas financeiras do passivo e a depreciação do bem.

Dessa forma, os indicadores financeiros no balanço patrimonial e no DRE terão um incremento significativo. Veja a seguir o que muda nos demonstrativos das empresas locatárias.

O que muda no Balanço Patrimonial

O impacto sobre o balanço patrimonial será no aumento de ativo não circulante e no incremento do passivo circulante e não circulante. De acordo com as novas regras, os locatários terão que incluir em seu balanço o ativo alugado e os passivos associados, como o pagamento de aluguel. Essas mudanças alteram indicadores importantes, como capital circulante líquido e covenants financeiros.

O que muda no Demonstrativo de Resultado

No DRE, os locatários terão que registrar a depreciação do ativo e a despesa financeira do passivo, no lugar da despesa operacional de arrendamento. A principal métrica afetada será o Ebitda — lucro antes do resultado financeiro, impostos, depreciação e amortização: um indicador financeiro de grande relevância para analistas de mercado, em especial de empresas de capital aberto.

Se sua empresa possui contratos significativos de arrendamento, fique atento à IFRS 16. Identifique os arrendamentos, revise os contratos de acordo com a nova norma e avalie a locação de ativos no planejamento financeiro da sua empresa.

Quer saber mais sobre gestão? Então, leia também este post sobre gestão patrimonial.

Você também pode gostar

Sem comentários

Deixe um comentário

Scroll Up